A música é um elemento que convive conosco desde que nascemos. Cada barulho e cada movimento que fazemos produz algum som, podendo ser bom aos nossos ouvidos ou não. A música é algo que pode ter várias interpretações ou até mesmo vários estilos, e o que mais temos hoje em dia são estilos variados de músicas para agradar a todos. Geralmente escutamos alguma música para ficarmos relaxados, para dançar ou até mesmo se concentrar enquanto estamos no trabalho fazendo vários jobs. 

 

O mais importante no meio desse caos todo é que o gosto musical e o jeito como as músicas estão sendo escutadas sofreram alterações por causa do COVID-19. Segundo estudo feito pelo streaming Deezer no Brasil e em países estrangeiros (Itália e França), entre os dias 2 e 22 de março, mostra que o pico do horário onde mais se entrava para escutar as músicas eram às 7hrs, o horário em que a população estava se deslocando para seu trabalho. 

 

Já em março quando a quarentena começou, o consumo de música mudou e o pico passou para a faixa das 9h e 10 hrs. Ou seja, as pessoas começam a escutar música quando já começam o seu trabalho ou estudos em home office. O estudo também mostrou que o consumo de música nos dias da semana também mudou. Sexta-feira era o dia com mais reprodução de músicas, mas agora todos os dias se igualam a sexta-feira, incluindo os finais de semana.

 

Por que o consumo de música aumentou tanto nessa época de pandemia? 

 

Certas melodias e músicas além de despertarem memórias afetivas que a música está trazendo, em situações de dificuldade ou de grande pressão elas também podem ser uma ótima aliada para deixar o dia mais tranquilo e positivo. 

 

Segundo um estudo feito pela Universidade da Flórida, cada componente de uma peça musical mexe com uma região cerebral específica, trabalhando em zonas responsáveis pelo conhecimento e interpretação dos sentimentos. Por isso, ao ouvir a nossa música favorita ou desconhecida despertamos sensações ou até mesmo um imenso relaxamento.

 

Pensando nisso e para incentivar ainda mais a música na nossa vida, vamos elencar vários benefícios que a música pode te proporcionar nesses tempos de pandemia:

 

Melhorar o humor

 

Segundo Fernando gomes, neurocirurgião e neurocientista do Hospital das Clínicas de São Paulo:  "A música é capaz de estimular esses circuitos e modular o humor, induzindo euforia, alegria ou até mesmo o baixo astral".  

 

Quando a música passa a fazer parte da memória afetiva, ao ser ativada irá modificar o nível de hormônios e neurotransmissores no corpo humano, ou seja acalmando ou irritando, alegrando ou deprimindo.

 

Ouça música para combater a ansiedade 

 

Para muitas pessoas ficar em casa nessa quarentena está sendo uma tarefa difícil, e todo o caos que estamos vivendo pode desenvolver tensões ou até mesmo ansiedade. Uma pesquisa feita pela Mindlab (Consultoria britânica especializada em soluções e neurociência para empresas) comprova cientificamente a capacidade terapêutica da música. 

 

O estudo foi feito com um grupo de pessoas que estava montando um quebra-cabeça complexo no menor tempo possível, e enquanto realizavam a atividade escutavam diferentes músicas. Quando expostos a uma música com compasso lento e tons mais graves, os batimentos cardíacos e os níveis de cortisol (o hormônio do estresse e da ansiedade) caíram na corrente sanguínea.

 

Música melhora a produtividade no home office

 

Uma mente mais limpa produz muito mais, e nisso a música pode te ajudar. A música estimula a memória e o aumento na performance cerebral. Se o isolamento te conduziu ao trabalho ou estudo a distância, nada melhor que uma trilha musical para ajudar na produtividade. 

 

Segundo estudos realizados com estudantes, escutar música entre uma tarefa e outra aumentava significativamente a capacidade de concentração dos jovens. Desta forma, eles tiveram mais facilidade para permanecerem concentrados em textos longos e densos. 

 

O tipo de música que você ouve é fundamental para ajudar a melhorar os níveis de produtividade. Por isso, procure analisar o que você vai escutar antes da sua atividade de trabalho:

 

- Quantidade de versos que a música possui;

- Índice de familiarização com a música;

- O quão repetitiva é a tarefa que você irá fazer enquanto ouve;

- Se a atividade desempenhada requer esforço físico ou mental.

 

Se for para trabalhar, a playlist ideal deve ter canções instrumentais, pois, pesquisas indicam que músicas que possuem letras podem reduzir a performance mental. Por outro lado, as trilhas instrumentais podem impulsionar intensas doses de produtividade. Outros estudos apontaram que o quanto mais vozes ouvirmos na trilha, menos produtivos seremos.

Depois de todas essas dicas que tal relaxar e se divertir com a playlist que montamos especialmente para você curtir nesse momento. É só escanear o código do Spotify e curtir!

 

 

Escrito por: Jéssica Leme