Na publicidade, alguns pontos sempre merecem ser reforçados. São conceitos fundamentais para que as marcas e empresas continuem a crescer no mercado, alcançando o almejado sucesso. Muitos dos conceitos envolvem, claro, a sociedade. Em constante transformação, ela desperta mudanças no ser humano e em suas relações.

 

Um conceito não tão recente, mas que é aderido por um número cada vez maior de marcas é o da Lovemark, onde o diálogo entre o cliente e a empresa é profundo e gera laços afetivos. As Lovemarks constroem uma relação com o seu público baseando-se nas emoções, com uma conexão forte que cativa e vai além de fidelizar – a palavra-chave aqui é lealdade.

 

O conceito criado por Kevin Roberts, CEO mundial da Saatchi & Saatchi e autor do livro Lovemarks – O Futuro Além das Marcas explica que as Lovemarks são aquelas que possuem características relacionadas às questões afetivas e emocionais. Como exemplo mais comum, podemos citar a Coca-Cola e a Apple.

 

Esse caso de amor entre a marca e o cliente pode ser o “empurrão” que faltava para muitas empresas alcançarem seus objetivos. Mas chegar ao patamar de Lovemark não é uma tarefa fácil. É preciso aliar estratégia, visão, propósito e sentimento. A marca precisa acreditar naquilo que transmite; ela precisa ter alma própria.

 

A relação de confiança entre o consumidor e a marca leva tempo, onde desafios precisam ser enfrentados com criatividade e dinamismo. Após espalharem amor, as empresas veem seu público leal deixar de ser “consumidor” para se transformar em “fã”.  O processo envolve muito esforço e dedicação, pois somente funcionará com empresas onde a equipe acredita no  que a marca transmite e ama o que faz.

 

Apesar de estratégia, no desenvolvimento da Lovemark o ponto principal é pensar com o coração. É levar prazer, satisfação e alegria. Mais do que vender ou atingir metas, o importante é transformar sonhos em realidade.

Marcas apaixonantes ganham o coracao do publico